Centrais Sindicais unidas preparam para dia 20 o esquenta da greve geral do final do mês

 

Panfletagens nos terminais de ônibus e estações de metrôs e trens, assembleias nas fábricas e realização de shows culturais, entre outras iniciativas, deverão marcar a terça-feira (20/6) como Dia Nacional de Mobilização Rumo à Greve Geral indicada para a sexta-feira (30/6). Essa é a agenda de atividades decidida por sindicalistas e dirigentes das centrais sindicais em reunião na sede paulista do Dieese realizada na quarta-feira (7/6).

“Nossas mobilizações contra as reformas trabalhista e previdenciária, que o governo quer nos impor, têm sido bem-sucedidas. Basta lembrar que o deputado relator da reforma previdenciária na Câmara, Arthur Maia (PPS/BA), foi vaiado e impedido de falar em evento no seu reduto eleitoral no interior da Bahia no início deste mês”, afirmou Álvaro Egea, presidente do Sindvestuário Guarulhos e secretário-geral da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

O evento realizou-se em Guanambi onde Maia teve dez mil votos nas últimas eleições para deputado federal. O deputado foi vaiado por centenas de pessoas acusado de ser traidor do povo mais pobre da Bahia (veja aqui). Por isso, Egea recomendou que o movimento sindical continue a atuar fortemente nas bases dos parlamentares que estão votando as reformas.

O ataque contra os direitos trabalhistas, aprovado por apenas três votos de vantagem na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado na terça-feira (6/6), ainda será discutido pelas comissões de Constituição e Justiça e de Assuntos Sociais antes de ser apreciado pelo plenário da Casa. A presidente da Comissão de Assuntos Sociais é a senadora Marta Suplicy (PMDB/SP) que tem um passado de lutas em favor dos trabalhadores.

Além da distribuição de materiais contra a reforma, os dirigentes programam realizar o “Arraiá contra as Reformas” na Avenida Paulista, antecipou Luiz Gonçalves, presidente da seção paulista da Nova Central dos Sindicatos Brasileiros. E o presidente da Central dos Trabalhadores Brasileiros (CTB), Onofre Gonçalves, arrematou: “Vamos organizar nossas bases e ocupar as ruas em todo o Brasil, para construir uma grande greve”.