Sindicato alerta trabalhadores da Kiprotek, de Itaquaquecetuba, sobre “golpe da casadinha”

Kiprotek-demissoes

Em assembleia realizada quinta-feira (29/10) na Kiprotek, fábrica de uniformes localizada em Itaquaquecetuba, diretores do sindicato alertaram os trabalhadores para não caírem no golpe da casadinha. A suspeita de golpe foi levantada depois que a empresa decidiu demitir 42 trabalhadores e alegou não ter dinheiro para pagar as verbas rescisórias.

“Ficamos sabendo que advogados visitaram demitidos em suas casas”, relata Álvaro Egea, presidente do sindicato. A proposta que esses advogados fizeram aos dispensados foi de entrar com processo na Justiça do Trabalho para liberar o seguro desemprego e o FGTS. Os salários dos trabalhadores da Kiprotek estão atrasados já faz mais de um mês.

O golpe da casadinha ocorre quando empresa e advogados combinados simulam um acordo prejudicando os empregados. Na assembleia com os trabalhadores foi decidido que, na próxima quarta-feira (4/11), a empresa comparecerá à reunião no sindicato para negociar proposta de pagamento dos salários atrasados e dos direitos dos demitidos.

O sindicato também advertiu que os empregados devem seguir as orientações da entidade de classe, evitando soluções que possam caracterizar fraudes aos seus direitos como, por exemplo, o parcelamento das verbas rescisórias prática que é proibida por lei. “Os trabalhadores da Kiprotek devem se orientar pelo sindicato e acompanhar a reunião com a empresa na próxima semana”, afirmou Egea.